14 de fev de 2014

Resenha: O Lado Bom da Vida


O livro é narrado pelo ex-professor de história, Pat Peoples, uma homem na casa do 30 anos que foi internado em uma clinica psiquiátrica (ou, lugar ruim, como ele prefere dizer). Ele não se lembra do que o fez ir parar lá ou de quanto tempo ficou naquele lugar ruim, apenas sabe que sua esposa quis que ficassem um tempo separados.

 

Pat acredita que esteja vivendo o seu filme, ou o filme da sua vida, e que no final desse filme o tempo separados irá acabar e ele finalmente poderá ter seu final feliz ao lado de sua amada esposa, Nikki. 
O lado bom da vida, foi a minha primeira leitura do ano, achei bastante leve e agradável.  O livro é como se fosse o diário pessoal de Pat Peoples, a escrita é bem simples e repetitiva, visto que o personagem é uma pessoa com problemas mentais, mas o livro te conquista pela simplicidade.


Pat é extremamente cativante e ingênuo, tão inocente e sensível como uma criança. Torcedor fanático dos Eagles, viciado em exercícios físicos e dono de um enorme coração. É impossível não se apaixonar pelo fato dele ver o lado bom das coisas – ou melhor, o lado bom da vida - e se agarrar tão forte a esperança de reatar com Nikki.  

“Estou praticando ser gentil do que ter razão.”


Não poderia deixar de citar Tiffany, melancólica, misteriosa, manipuladora, desequilibrada, divertida e dona também de um bom coração, a personagem deixa sua marca no livro e na vida de Pat.

E por ultimo, mas não menos importante, Jeanie Peoples, foi ela quem lutou para tirar seu filho mentalmente perturbado da clinica psiquiátrica e poder lhe dar todo amor e carinho que merece. Ela sacrificaria tudo pelo filho, a forma como protege, cuida e defende Pat é incrível, seu amor incondicional é expressado perfeitamente através das palavras de Matthew Quick (autor do livro).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe uma opinião sobre o que achou da postagem. Volte sempre.


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©